Poesia e escolhas afetivas, Luciana di Leone

LIVRO: Poesia e escolhas afetivas: edição e escrita na poesia contemporânea

AUTORA: Luciana di Leone

EDITORA: Rocco, 256 páginas, 2014

 

 capa_livro

 

Autora nascida na Argentina em 1980, mas atualmente residente no Brasil, Luciana di Leone publicou, em 2008, pela editora 7Letras, o livro “Ana C.: as tramas da consagração”, e agora volta ao público com uma obra do campo da teoria literária nascida de sua tese de doutorado intitulada “De trânsitos e afetos: alguma poesia argentina e brasileira do presente”, defendida em 2011 na Universidade Federal Fluminense.

Neste livro, lançado recentemente pela editora Rocco dentro da coleção (de textos teóricos) Entrecríticas, di Leone apresenta, através de termos como “revitalização”, “novo vigor” e “boom” o que vem acontecendo no cenário da poesia contemporânea no Brasil e na Argentina: a grande proliferação de novos poetas, nos anos 1990 e 2000. Assim, ao mesmo tempo em que observa a ausência de certos “projetos ou vontades homogeneizantes” entre esses autores, de estilos diversos construídos sobre a ausência de programas, ideologias ou bandeiras específicas em comum, a autora verifica que ainda persiste, nas gerações atuais, o interesse pelo agrupamento, levado e alimentado quase sempre pelo “afeto” e pelas “escolhas afetivas”, que ela define da seguinte forma:

[…] leitura e escrita se acham […] intimamente ligadas e

mutuamente afetadas. O afeto, já desde suas

mais simplificadas definições enciclopédicas, é

definido como algo que se produz na relação entre dois

ou mais – corpos, pessoas, objetos, acontecimentos. […]”

Para ela, essa relação entre os autores, os leitores e o poema em si é levada ao extremo ao criar uma rede de contatos, amizades, e (por quê não?) privilégios, dentro de um grupo, mesmo não sendo ele estilisticamente homogêneo.

Ao tratar da relação entre poetas como Angélica Freitas, Aníbal Cristobo, Marília Garcia, Alejandro Mendez, Carlito Azevedo, Susana Scramim, Ricardo Domeneck, Fabiano Calixto etc., di Leone cita o desenvolvimento e a importância das práticas criadoras de edição, antologização e organização de revistas e coleções literárias, como a Inimigo Rumor, a Modo de Usar & Co. e a “ás de colete”, além da circulação destes objetos e poemas. Luciana desenvolve em seu texto (acessível e de fácil compreensão, sem o peso desnecessário do academicismo chato e exacerbado) como o afeto se instalou no pensamento e na criação contemporâneas, como ele colaborou para o nascimento de novas práticas poéticas (como o endereçamento e as citações), e questiona, por fim, como esta forma de agir se configura como “elemento instaurador de tensões no sistema literário, no mercado e, sobretudo, nas forças em trânsito que, indefinidamente, dão forma a processos identitários. E os diluem.”

Di Leone fornece, em suma, todos os signos por trás do cenário da poesia contemporânea no Brasil e na Argentina, e torna-se claro como o afeto passou a unir e/ou separar grupos homogêneos ou não, criando, indiretamente, identidades para “movimentos” que nem se enxergam como tal. Este é, em suma, um livro essencial para quem gosta de ler poesia, escrever ou estuda teoria literária – um livro para pensar o cenário literário atual.

João Meireles
carioca e poeta. twitter: @_JaumMeireles instagram: @jaummeireles

Deixe uma resposta