5 livros sobre os segredos da escrita para quem sonha em ser escritor

Escrever pode parecer simples à primeira vista, mas quem escreve sabe o desafio proposto por cada palavra. Os autores dos livros que resenhamos para o especial dessa semana que o digam, pois escreveram obras inteiras dedicadas exatamente a isso: a analisar e comentar os segredos, técnicas, ferramentas e até possíveis rituais da escrita, os motivos e métodos e tudo mais que envolve o ato de escrever. Leituras altamente indicadas a quem escreve e quer escrever mais e melhor ou a quem tem curiosidade sobre o processo criativo da escrita. Confira os livros selecionados!

 

Confissões de um Jovem Romancista, de Umberto Eco

Confissões de um jovem romancista é um pequeno relato que Umberto Eco dirige ao leitor. Com uma fluidez e simplicidade que encaminham a obra tal qual uma conversa, ele conta, inicialmente, a proposta deste livro como sendo um “jovem” autor confessando as experiências após o sucesso do seu primeiro romance O nome da rosa, publicado em 1980. É um “jovem” romancista porque iniciou sua carreira na escrita literária há pouco mais de vinte e oito anos.

Umberto Eco foge do lugar comum quando tratamos de um relato. Em vez de alimentar o livro com frases de efeito ou apenas histórias muito particulares, Eco ajuda novos escritores contando um pouco de seu estudo e como ele aprendeu a se relacionar e a gostar da língua. Confissões para um jovem romancista é um livro feito para todos aqueles que são escritores em formação. E isso nunca cessa.

Leia a resenha completa:
http://indiqueumlivro.literatortura.com/2015/01/03/confissoes-de-um-jovem-romancista-de-umberto-eco/

Por Marina Franconeti

Make Good Art, de Neil Gaiman

“Make good art” é uma versão impressa de um incrível discurso de Neil Gaiman para uma turma de formandos sortudos de artes. No livro, assim como no discurso, Gaiman conta um pouco sobre sua própria experiência, conta sobre como porque acabou virando escritor, as dificuldades enfrentadas e inclusive seus medos – até mesmo aqueles que nascem do sucesso.

O livro, assim como o discurso do autor, é uma obra de arte, essencial para todo escritor, artista e ser humano que queira conseguir ver o mundo – e algum sentido no mundo – através das palavras de Gaiman. Portanto, leia o livro, veja o discurso abaixo. Ou não. Mas cometa erros, erros fantásticos. E, como diz Gaiman, faça boa arte.

Leia a resenha completa:
http://indiqueumlivro.literatortura.com/2015/02/03/make-good-art-neil-gaiman/

Por Amanda Leonardi

 

On Writing, de Stephen King

Em On Writing, King conta desde sua infância, sobre como se interessou por literatura, encontrando livros antigos em caixas de coisas que pertenciam a seu pai – entre essas coisas, muitos livros, inclusive obras de Lovecraft, alguns de seus primeiros contatos com o terror. Além disso, ele comenta mais sobre como desenvolveu o gosto pelo terror e pela escrita, sobre seus primeiros contos enviados para publicação, e claro, as primeiras cartas de rejeição. Na época em que King começou a escrever, existiam nos Estados Unidos diversas revistas de terror que recebiam contos para avaliação, e King foi persistente e teve diversos trabalhos rejeitados até conseguir publicar uma boa quantidade de contos e chegar a conseguir publicar seu primeiro romance, Carrie.

Depois de contar um pouco sobre sua vida pessoal, seus problemas e como a escrita influenciou tudo isso, King passa para a parte prática: ele explica desde a melhor forma de organizar um quarto para escrever, até coisas bem básicas, mas importantes, como conhecer bem a gramática, ter um bom vocabulário, muita dedicação e diversas outras coisas que não cabem em uma resenha, mas que são muito úteis para quem quer escrever. Ou para quem simplesmente tem curiosidade sobre a carreira de King ou sobre o que ele diria como conselho a jovens escritores.

Leia a resenha completa:
http://indiqueumlivro.literatortura.com/2014/12/30/on-writing-de-stephen-king/

Por Amanda Leonardi

Para ler como um escritor, de Francine Prose

Muitos escritores iniciantes ou já experientes, que desejam entender melhor como funciona o processo de escrita, poderiam maravilhar-se com a leitura deste livro. Não é um livro que dita regras, mas que, pelo contrário, na maioria de suas páginas, mostra como muitos dos maiores autores de grandes clássicos da literatura inovaram quebrando regras. Escrito por Francine Prose, autora de diversas obras de ficção, finalista do National Book Award e professora de criação literária por mais de vinte anos, essa é uma obra que reúne trechos dos mais diversos clássicos da literatura, incluindo autores como Charles Dickens, Jane Austen, Vladimir Nabokov, entre muitos outros, até um capítulo inteiro sobre o que se pode aprender a partir da leitura de contos de Tchekhov.

Esse livro não apenas fornece dicas, conselhos de escrita, mas mostra como prestar atenção a elementos chave da narrativa (ou diálogo escrito) para aprender mais com cada leitura, de forma a ler como um escritor – ler aprendendo, observando os efeitos narrativos de cada obra e analisando como tais efeitos foram construídos e com que elementos. É um livro que merece ser lido e relido com atenção, um livro para quem gosta de escrever e deseja escrever melhor ou para quem gosta mesmo só de ler e quer tentar compreender melhor o motivo por trás de cada palavra escrita.

Leia a resenha completa:
http://indiqueumlivro.literatortura.com/2015/02/08/para-ler-como-um-escritor-de-francine-prose/

Por Amanda Leonardi

Escrevendo com a alma, de Natalie Goldberg

Muito já se elucubrou sobre a arte da escrita. Inspiração divina. Loucura. Talento. Contudo, também um ofício, e como tal, passível de treino, e é assim que Natalie Goldberg trata o ato de escrever, uma ação que com disciplina e dedicação pode-se alcançar o sucesso.

E sucesso como realização pessoal, não como sinônimo de fama e dinheiro. Podes buscar ser um escritor profissional, ou usar a escrita como catarse, terapia, distração. Escrever é um ato democrático e libertário. O importante é ser verdadeiro, se deixar levar, ignorar nosso censor interior, pois só assim é possível aproximar-se de si mesmo, o que para Natalie é uma das grandes funções da escrita.

Ela nos apresenta à algumas dicas, como não ficar preso a pontuação ou ortografia, não rasurar, esquecer a lógica, nos mostra o caminho de como trabalhar com a principal ferramenta que possuímos, a mente, e conectá-la ao nosso espírito.

Leia a resenha completa:
http://indiqueumlivro.literatortura.com/2015/02/02/escrevendo-com-a-alma-de-natalie-goldberg/

Por Bia Fonseca

Amanda Leonardi
Bacharel em Letras na UFRGS, escritora e tradutora. Fã de Shakespeare desde criança, fanática por Poe, poesia e por literatura clássica e de terror em geral, e também por filmes de terror. Escreve contos e poemas e participou de algumas antologias de contos e poemas. Escreve matérias sobre literatura e cinema para o Literatortura e para a revista online Conexão Literatura.

Deixe uma resposta